Não percebi nada. O que é que aquilo queria dizer?”| Susana Menezes

cartaz

Atribuímos às crianças a capacidade de nos colocarem questões, que lhes são sugeridas pelo seu encontro com a obra de arte, de uma forma directa e clara.
Se por um lado a criação artística pode e deve ser usufruída livremente – de modo a deixar ao  observador/espectador a sua interpretação, apropriação e satisfação própria de quem se revê no objecto observado ou vê as suas duvidas interiores respondidas ou ainda por uma outra razão qualquer própria de cada um – é também verdade que gostar e compreender se afirmam em planos diferentes e que para gostar nem sempre é necessário  compreender em toda a totalidade, nem dominar as ferramentas que nos permitem explicar o que sentimos.
No entanto é possível que, mesmo gostando do que se viu ou sentiu, a própria obra, levante questões e às vezes alguns desconfortos nas crianças para os quais muitas vezes nós pais e também educadores não temos ainda respostas óbvias ou imediatas.
– O que fazer então?
(Entre outras coisas, admitir que a procura de respostas já constitui por si o princípio de uma outra aprendizagem e descoberta igual ou maior.)
Durante esta tarde proponho-vos pensar e conversar sobre estas matérias, ver imagens e vídeos com exemplos practicos e descobrir respostas para as perguntas das crianças, que nos apanham desprevenidos, e na maior parte dos casos nos fazem sorrir.

Susana Menezes nasceu no Porto em 1973. Licenciou-se em Design de Produto na ESAD, Matosinhos. Foi bolseira Erasmus na Hogeschool, em Antuérpia. Participou em workshops sobre criação e método de projecto, com Christopher Jones, Uwe Fischer e Xavier Mategot no Domain de Boibuchet – Vitra Design Museum. Frequentou o programa de mestrado em Criatividade Aplicada na Faculdade de Ciências Educativas, Universidade de Santiago de Compostela. Fez Pós-graduação em Gestão Cultural nas Cidades no INDEG/ ISCTE. Criou e coordenou o Serviço Educativo do Teatro do Campo Alegre durante 7 anos. Foi consultora para as actividades educativas da Artemrede – Teatros Associados. Dá formação na área dos Serviços Educativos e desenvolve actividades pedagógicas em diferentes contextos e para diferentes idades e níveis de ensino. Desde 2006 programa e coordena o Programa para Crianças e Jovens do Teatro Maria Matos.

a DeVIR é uma estrutura financiada por

Discuss - No Comments